segunda-feira, 2 de maio de 2011

Um pouco de história e algumas observações

Panorâmica de Istambul. Clica aqui que aumenta!
Istambul é um palimpsesto*. 

Já foi Bizâncio, até 330 d.C e já foi Constantinopla, até 1453, quando se rendeu ao exército do sultão otomano Mehmet II e se passou a chamar Istambul. Até hoje é chamada por esse último nome em alguns países, como a Grécia (Κωνσταντινούπολις, Konstantinoúpolis). 


Mapa de Constantinopla

Mehmet II invadindo Constantinopla

Atualmente, embora a capital do país seja Ancara, Istambul continua sendo o principal polo industrial, comercial, cultural e universitário. É a sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, sede da Igreja Ortodoxa.

É a quinta maior cidade do mundo e a mais populosa da Europa. E a maior da Turquia, é claro.

Mas, para se falar de Turquia, primeiramente é necessário entender como se formou o país: 

O povo turco descende de tribos nômades da Ásia Central. Ao redor do século 10º, algumas dessas tribos, entre elas os seljúcidas, invadiram a Anatólia, que era governada pelos bizantinos. Em 1071, os bizantinos tentaram derrotar os seljúcidas, mas a batalha acabou eliminando a dominação bizantina na Ásia Menor. Isso resultou na formação de uma série de Estados islâmico-turcos, que viriam a se tornar parte do Império Turco.

Os seljúcidas, para consolidar seu poder, criaram relações comerciais com outros Estados, como Bizâncio, Chipre, Pisa, Veneza, Florença e Gênova, construíram pontes para facilitar o comércio e caravanserais para abrigar caravanas de camelos com mercadorias.

Caravanserai em Saruhan, Capadócia

A Grécia foi ocupada pelos turcos durante 4 séculos, fazendo parte do Império Otomano. Desse modo, até o começo do século XIX havia muitos gregos que viviam na Turquia e vice-versa.

O pai da república turca foi Mustafa Kemal, conhecido como Atatürk. O cara é um ídolo. O cara é uma entidade, uma divindade. Nunca vi um líder político com tanta aprovação em toda a História.

É Allah no céu e Atatürk também

Todos os estabelecimentos na Turquia têm uma foto dele. Aqui no Brasil, a gente tem notas de dinheiro com mico-leão-dourado, ararinha. Lá, só dá Atatürk. Todas as notas têm a cara dele. É uma veneração realmente espantosa.

Com as perdas da I Guerra Mundial e a ocupação de partes da Turquia por países como Reino Unido, França e Itália, o nacionalismo turco foi atiçado.

Após tropas gregas invadirem Izmir em 1919 e avançarem até Ancara, que viria a se tornar a capital, as ideias nacionalistas de Atatürk para a criação da república turca ganharam força.

Foi então que o Tratado de Lausanne (1923) definiu as fronteiras e os territórios do Estado turco. Como parte do acordo do paz, a Grécia e a Turquia fizeram a troca de suas populações. Cerca de 1.2 milhão de gregos que moravam na Turquia retornaram à Grécia e 450 mil turcos voltaram à Turquia.

De acordo com o nosso guia em Göreme, tanto os gregos que viviam lá e os turcos que viviam na Grécia tinham uma vida muito difícil na época da guerra, pois não podiam entrar para o exército; de outro modo eles seriam treinados exatamente para lutar contra seu próprio país. Para compensar esse impedimento, tanto o governo turco quanto o grego cobravam impostos muito altos para os gregos e turcos que não estavam em seu país de origem.

Atatürk admirava o estilo de vida europeu e suas ideias visavam a um Estado moderno e secular. Queria uma democracia multipartidária, com um partido de oposição. Ele adotou reformas radicais e pegou emprestado leis de outros países europeus. A escrita otomana foi substituída pelo alfabeto latino e adotou-se a nova língua turca.

Mudaram-se as regras de se vestir, por exemplo, não sendo necessário o uso obrigatório do véu, e foram adotados sobrenomes.
Em 1928, foi reconhecido o Estado secular assegurado por uma Constituição civil.

Considerando toda essa história, é fácil perceber o quão misturada é a cultura de modo geral na Turquia. Há influências bizantinas, romanas, gregas, islâmicas e ocidentais hoje em dia.

Istambul é uma cidade moderna e cosmopolita, que tem até uma forte cena gay. À medida em que se vai para o interior, é claro, a cultura é mais conservadora, mas nem por isso 3 mulheres viajando sozinhas correram qualquer perigo pelo país. Fomos muito bem recebidas.

Turcos são pessoas completamente hospitaleiras, simpáticas, que se sentem na liberdade de contar a vida inteira se você der dois dedos de prosa.

Conhecemos muita gente interessante com muita história que só achávamos que acontecia em filmes ou novelas. 

O que todo mundo me pergunta quando falo sobre a Turquia é: o machismo é opressivo? é perigoso para mulheres andarem por lá?

Não.

O machismo não é opressivo, apesar de notável. 
Mulheres muçulmanas, que usam véu e andam com seus maridos pelas ruas, claramente andam atrás deles, e normalmente carregam sacolas de compras enquanto eles têm as mãos vazias.

Hamams (banhos turcos) e salões de cabeleireiros têm partes separadas para homens e mulheres.

Não foi uma ou duas vezes que, ao descobrirem que era uma mãe e duas filhas viajando, perguntaram onde estava o papai, e ao ouvir a resposta de que "papai está em casa" (não era verdade; papai morreu), falavam que estávamos lá então viajando gastando o dinheiro do papai. 

É simples assim. Há que se entrar no jogo. Não são situações isoladas. São atitudes-padrão de qualquer homem comum com quem uma mulher venha a falar, não porque têm preconceito, mas porque cresceram dentro desse sistema.

Minha dica para mulheres que vão solteiras é: vão de aliança. Funciona como um campo de força e eles mudam automaticamente de assunto.

Tirando o assédio, que depois de alguns dias se torna meio maçante, eu não tenho reclamações sobre o povo turco, que me deixou até com raiva de brasileiros que prestam serviços a turistas, por exemplo em cidades como Natal ou Fortaleza, em que você é mal atendido, normalmente querem te passar a perna, e você sai do lugar achando que é um babaca.

Lá, te oferecem chá em qualquer estabelecimento, sentam você num banquinho, conversam sobre a vida, botam a loja abaixo mesmo que você não for levar nada, abaixam o preço e normalmente dão uma lembrancinha quando você vai embora.

Espécime exemplo da simpatia turca
A cultura, enfim, É diferente, mas né? Claro que, pra quem quer ficar em zona de conforto, é melhor ficar em casa.

FONTES: Guia Visual da Folha, Wikipedia e nosso guia turístico na Capadócia, Adem. =)

*Palimpsesto era uma prática utilizada na Idade Média em pergaminhos em que o texto era apagado para que o pergaminho fosse reutilizado. Na época, o papiro tinha um custo muito elevado.

7 comentários:

  1. Me surpreendi! Achei que o machismo era muito mais pesado por lá... mas, por via das dúvidas, se algum dia eu for caminhar por esses lados de lá, vou seguir sua dica da aliança... hehehe

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi meninas, estou indo pra Turquia em Agosto e achei o blog de vcs com as dicas! vai ajudar bastante! Queria só tirar uma dúvida: De istambul pra capadoccia vocês foram de aviao ou ônibus? Se foram de ônibus, compraram lá mesmo?
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá meninas, parabéns pelo blog, escrita dinâmica e bem humorada, além de ótimas dicas !! Estou indo para Turquia ALONE em agosto e sendo mulher estava receosa quanto a recepção turca para mulheres desacompanhadas, agora com seus comentários estou mais tranquila. Obrigadinha e parabéns!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Meninas! Acho que suas guia era mim:))) Pelo que eu sabia tem so um Adem fala Portuguese na Capadocia.Agredeço. Gostaria ajudar para suas amigos com qualqer coisa. admbulbul@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me disculpe, ele nao era mim. Nao pude falar Portuguese em 2011

      Excluir
    2. Edilberto e Adelaide11 de agosto de 2013 18:01

      Adem
      Estamos indo para a Turquia e achar alguém falando português seria maravilhoso. Precisamos de mais informações e chegando à Capadócia queremos conhecer você.
      Beto e Adelaide

      Excluir